• Receba a planilha exclusiva e gratuita para Gestão de Projetos de P&D!

    E mais: participe da comunidade privada de +4000 visionários de alimentos que recebe dicas e insights exclusivos. Sem spam. Só inovação.

MELHORES MOMENTOS DA FOOD INGREDIENTS EUROPE

P&D, alimentos, R&D, food, engenharia, ciência, tecnologia, carreira, trabalho, pesquisa, desenvolvimento, oportunidade, sra inovadeira, inovação, direto da P&DHoje temos um novo post da coluna Direto de P&D. Uma coluna para retratar os questionamentos, aprendizados e conselhos de quem está com as duas mãos na massa – VOCÊ! Tem um ponto de vista sobre os assuntos que rodeiam essa área apaixonante de criação de alimentos e gostaria de publicar aqui? Manda seu texto para mim – você pode publicar como um convidado ou até virar nosso colunista 😉

O texto de hoje é da nossa visionária Adriana Schulka, uma engenheira de alimentos que acompanha a página desde o início, e já foi nossa aluna em Lajeado e Curitiba. Todos tiveram a oportunidade de conhecê-la também durante a cobertura da Food Ingredients South America 2017, onde ela aparece até em vídeo!

Adriana teve a oportunidade de visitar a Food Ingredients Europe acompanhando um cliente, e aproveitou para compartilhar conosco o que viu por lá.

Muito obrigada, Adriana: a gente fica muito feliz em receber tanta informação bacana em primeira mão! <3

 


Olá colegas visionários de alimentos, tudo bem?

Recentemente tive uma experiência muito bacana e gostaria de poder compartilhar este conhecimento. Então, incentivada pela Sra Inovadeira, decidi escrever um pouco sobre o que vivi e espero contribuir de alguma forma para consolidar alguns conceitos e gerar ideias de novos produtos.

Sou engenheira de Alimentos e atuo como consultora na área de alimentos em geral. Fui convidada por um cliente a participar como expositor (suporte técnico) na Food Ingredients Europe 2017, que aconteceu entre os dias 28 a 30 de novembro, em Frankfurt-Alemanha. Aceitei o convite e lá fomos nós juntar-nos às demais empresas do pavilhão Brasil, uma iniciativa do MRE e MAPA para promover o agronegócio brasileiro.

Fica a dica para ficarem ligados, pois estas iniciativas acontecem com frequência.  Curtam a página do MAPA no Facebook e saberão quando e como se inscrever para as próximas oportunidades. Eu não sabia e foi uma excelente experiência, recomendo!

Um ponto bastante positivo de se estar em uma feira internacional é a possibilidade de ter contato direto com quem decide, ou seja, gerentes, diretores e até mesmo presidentes de empresas. Muitas vezes acompanhados de alguém do time técnico. Realmente achei diferente de estar presente em ocasiões anteriores na mesma feira, porém no Brasil. O Networking é muito relevante.

Como estava expondo, fiquei limitada ao stand durante o horário da feira, mas consegui assistir ao Food Innovation Awards, espiar o New Products Zone e passear pelos stands do pavilhão das grandes empresas multinacionais.

Aliás, vale o comentário. O local da feira era gigante e para chegar ao pavilhão Brasil, levava cerca de meia hora caminhando! Parecia mais era um aeroporto. Surreal para mim.

Em minha visita ao pavilhão das gigantes, pude constatar que muitas delas estão sim preocupadas em mostrar transparência nos processos e produtos (alguém sabe quem sempre fala da importância da transparência???).

Também vi Cozinhas experimentais nos stands (e sobre a importância em saber cozinhar e se permitir experimentar?? Lembra alguém? 😉 )

Um fato que me chamou a atenção foi uma empresa listar os nomes de todos do time técnico, disponíveis para esclarecer dúvidas. Achei bacana e não deixa de ser uma forma de reconhecer o time.

 

Innovation Awards

Confesso que fiquei um pouco decepcionada com o Innovation Awards, pelo simples fato de eles não falarem muito sobre o produto e portanto a premiação é bem mais rápida. Sem falar na comemoração dos ganhadores, que fica bem longe de ser parecida com a festa frequentemente observada aqui no Brasil.

Eram diversas categorias inclusas na premiação, bem diferentes das Brasileiras e algumas me chamaram mais a atenção:

1.Future of Nutrition Award (open to non exhibitors): Esta categoria está relacionada com open innovation e a contribuição da empresa com a mudança de comportamento organizacional, a longo prazo.  A ganhadora foi uma máquina para elaboração de smoothies chamada Alberts.

2.IUFost Young Scientist Award.(IUFost = The International Union of Food Science and Technology). Premiação para incentivar novos cientistas que demonstram potencial diferenciado para contribuir com food science and technology…achei interessante pois nem conhecia a IUFost. Inclusive há cientistas Brasileiros na organização! O ganhador foi o Dr. Emmanuel Hatzakis, da universidade de Ohio. Para conhecer mais a respeito, veja aqui e aqui.

3. Growth Categories Innovation. Esta categoria considera produtos inovadores impactantes que foram desenvolvidos nos 2 últimos anos, que se encaixem nos segmentos mais crescentes: Protein, Dairy, Bakery, Beverages, Confectionery. O ganhador foi o ECCO Milk Protein Cripis. Só não concordei muito com o resultado. E vocês o que pensam?

4.Clean Label and Natural Ingredients Award. Premiação para a empresa que desenvolveu o melhor produto ou processo Clean label nos últimos 02 anos, com a mesma funcionalidade de um ingrediente sintético. O ganhador foi o produto da Ingredion HOMECRAFT® Create 865 and 835 flour, que são farinhas de arroz multifuncionais.

Para conferir mais sobre as categorias e os ganhadores, é só conferir o link.

E segue o vídeo que fiz da premiação da categoria Clean Label.

 

New Products Zone e as tendências apontadas pela Innova Markets Insights:

Na área do New Products Zone, como de costume, também havia a parte relacionada com embalagens. Novamente aparece a questão da transparência/ autenticidade.

 

Outro destaque foi embalagens/produtos comemorativos ou com edição especial.

Falando de novos produtos, os mais relevantes na minha opinião foram:

1.Crisps de proteína de girassol da marca Heliaflor®, nas versões Crisps Cereals, Crisps Cereal Pur e Crisps Cereal Schoko para aplicação principal em cereais/mueslies; Crisps Schnetzel,para aplicação em cárneos análogos.
 

 
 
 
 
 
 
 
 

2.Carafruit®-caramels from fruits da Sethness-Roquette: composto por caramelos produzidos com concentrados de maçã, pera ou laranja, sem adição de açúcar – que podem ser aplicados a sorvetes, sobremesas, iogurtes e biscoitos.
 

 
 
 
 
 
 
 
 
3.Sweet pasty hazelnut type (nut free) da Dutch Spices, empresa que é livre de todos os 24 alérgenos na Europa. O produto é uma alternativa ao creme de avelã, produzida a partir de uma pequena semente verde que não consegui descobrir qual é, só entendi que é torrada e depois moída. Fui até o stand,provei o produto e gostei. Se alguém descobrir, agradeço se puder compartilhar.
 

 
 
 
 
 
 
 
 
4.FOSvitae da Zukan é um ingrediente Clean label, oriundo da fibra solúvel da cana de açúcar e atua como um substituto de açúcar, polióis e gorduras.
 

 
 
 
 
 
 
 
 
Confira todos os produtos aqui.

Entre as tendências citadas pela Innova Markets Insights estão:

1. Craft gains mass appeal;

2. Curiosity creates choice;

3. Snacking evolution;

4. Mega drivers: free from and clean Label;

Para finalizar, quero mostrar dois produtos que provei e achei fantásticos. Um deles é um smoothie de frutas, que deixa claro a transparência na embalagem, literalmente. Você consumidor, sabe o que está comprando, sem enganações – vejam que a empresa declara a formulação completa no rótulo.

O outro é um muesli, ou também conhecido como granola, que é cheia de frutas desidratadas inteiras e grandes lascas de coco por exemplo. A marca chama-se My Mueslie e inclusive tem lojas em shoppings.

Fui até uma delas e amei a loja. Eles têm opções para diferentes públicos como por exemplo paleo, protein ou fit, além de embalagens de tamanhos diferentes (versão to go) e edições comemorativas. Pela internet é possível inclusive personalizar o seu muesli. Uma amiga local me apresentou a marca e comentou sobre a trajetória da empresa, que começou muito pequena e hoje tem parcela significativa do mercado.

Como a nossa amiga Sra Inovadeira nos diz, é possível inovar com coisas simples: para isso é preciso permitir-se sair da caixa, observar o consumidor, experimentar e arriscar.

Espero ter contribuído com os colegas e um grande abraço!

 


Não consegue participar de todas as feiras da área de alimentos? Eu te entendo: é humanamente impossível! Mas também não tem problemas: nós vamos por você e fazemos a cobertura aqui no canal ;)

Dá uma olhada no que já cobrimos:

FISA 2016
FISA 2017
APAS Show 2017
Food Innovate Summit 2017

Na IFT, a colunista Carin Gerhardt fez uma cobertura especial que você ainda pode ter acesso – quer ficar por dentro do que rolou na principal feira de inovação e tecnologia de alimentos do mundo? Acesse esta página e adquira o seu pacote.

Sobre Adriana Schulka

Adriana Schulka é Engenheira de Alimentos e Black Belt certificada. Durante os mais de 10 anos de atuação profissional, já trabalhou com garantia de qualidade, desenvolvimento de produtos (foco em eletrodomésticos), homologação de fornecedores, importação e venda de ingredientes naturais e orgânicos. Teve significativa experiencia prática com importantes ferramentas: HACCP, User Experience, Design Thinking, QFD (Quality Function Deployment) e certificação de orgânicos. Possui MBA Empresarial Lato sensu pelo INPG - Joinville, SC. Atualmente é consultora na área de alimentos, com foco na resolução de problemas, melhoria contínua e busca por inovação.
Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Receba a planilha exclusiva e gratuita para Gestão de Projetos de P&D!

    E mais: participe da comunidade privada de +4000 visionários de alimentos que recebe dicas e insights exclusivos. Sem spam. Só inovação.