ENTREVISTA COM SANDRA MIAN: INOVAÇÃO EM ALIMENTOS, UMA PERSPECTIVA HUMANA

Postado em 29/04/2016 por Cristina Leonhardt
Compartilhe

Na entrevista de hoje, vamos falar com Sandra Mian, que é consultora em Desenvolvimento de Produtos e Inovação para empresas de alimentos e bens de consumo. Brasileira residente do Canadá, Sandra nos traz sua visão única sobre a inovação em alimentos, profundamente baseada na relação entre o alimento e o ser humano. Uma visão que foi formada ao longo de um caminho de estudo de temas como engenharia de alimentos, história, sociologia e antropologia.
Num mundo cada vez mais alienado, em que as pessoas estão sempre conectadas a algo, mas incrivelmente desconectadas entre si, a indústria de alimentos enfrenta um enorme dilema. Como responder às brutais pressões do mercado e ter sucesso, justamente produzindo o item da nossa cesta de compras que mais carrega memória afetiva?
Na parte inicial da entrevista, Sandra fala sobre o processo de inovação e suas dores – como a necessidade de mudanças nas pessoas. Ela também aborda a questão do estímulo à criatividade e como evitar que este processo saia pela culatra (tendo uma visão de inovação de longo prazo).
Entrando em questões mais subjetivas – e totalmente relacionadas ao alimento – Sandra discorre sobre a dimensão humana da inovação, da relação do alimento com a vida das pessoas e dos profissionais por trás dele.
Uma das suas frases seminais: “comida é alimento com algo mais”. A indústria produz um alimento, porém é apenas quando ele entra no carrinho de compras, ou é preparado para ir à mesa, que vira comida. Comida é história, cultura, afeto, religião. É muito mais do que apenas uma embalagem, uma formulação e um processo.
Estamos passando por um momento em que a dimensão humana do que produzimos é simplesmente esquecida – e com isso, perdemos o contato com o que de fato aquele alimento representa.
Como diz Sandra “a pessoa não está comprando apenas a latinha de alguma coisa – assim que este alimento é preparado e servido, ele passa a carregar muitas outras coisas que vão além de proteína, gordura, fibras”.
Entender esta relação entre alimento e comida é a chave para o desenvolvimento de produtos que de fato mudem o jogo. Não falamos aqui sobre alimentos que transformem consumidores em fãs?
Pois esta entrevista lhe dá um caminho muito claro de como fazer isso.
 

 
Responde aqui nos comentários: você leva em consideração a comida nos seus desenvolvimentos?
 
Você pode contatar Sandra Mian através da sua página no Linkedin. Ela também contribui para a Carnetec.
Para quem se interessar sobre o uso de pesquisas etnográficas por empresas, aqui saiu um artigo na HBR.
Sandra cita algumas obras de referência, aqui estão elas:

  1. Ian Leslie: Curious: the desire to know and why your future depends on it
  2. Fiodor Dostoievski: sua última obra, considerada o epítome de seu trabalho, é “Os Irmãos Karamázov”.
  3. Honore de Balzac: A Comédia Humana volume 1, volume 2, volume 3.
  4. Shakespeare
    1. Sobre liderança, leia Henrique V.
    2. Sobre loucura e vingança, leia Hamlet.
    3. Sobre vaidade e sucessão de empresas, leia O Rei Lear.
    4. Sobre inveja e ganância, leia Macbeth.
    5. Sobre paixão, leia Romeu e Julieta.

Gostou da entrevista? Cadastre-se no nosso canal no Youtube que vem muita coisa nova por aí! 
Para continuar recebendo informações sobre inovação de alimentos, e receber uma ferramenta bem bacana para gestão de projetos, coloque o seu e-mail a caixa abaixo! 

Compartilhe esse artigo. Vamos revolucionar o mercado de alimentos!

Juntos podemos causar um grande impacto através de pequenas ações: compartilhe e espalhe a mensagem.

Receba a planilha exclusiva e gratuita para Gestão de Projetos de P&D!

E mais: participe da comunidade privada de +4000 visionários de alimentos que recebe dicas e insights exclusivos.

Sem spam. Só inovação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba a planilha exclusiva e gratuita para Gestão de Projetos de P&D!