fbpx » POR QUE A GENTE AMA O SABOR MORANGO? ūüćď

POR QUE A GENTE AMA O SABOR MORANGO? ūüćď

Postado em 03/10/2023 por Cristina Leonhardt
Compartilhe

J√° pensou porque gostamos tanto de morango, hamburguer e sushi?

Nos projetos de Inovação Estratégica com meus clientes, venho tensionando a escolha por sempre lançar a versão morango de iogurtes, geleias, biscoitos e confeitos. Vende, eu sei. Aliás, é um dos três aromas que mais vendem no mundo (sendo os outros 2 baunilha e chocolate).

A minha questão é: por quê?

Por que amamos tanto morango – ou melhor, por que amamos tanto produtos com gosto de morango (que podem conter ou n√£o a fruta)?

Há vários fatores que ajudam a entender a nossa predileção (quase global) pelo morango. Uma fruta perecível, cara, com sabor intenso e a cor vermelha Рtodos elementos que geram desejo.

Por√©m, se olharmos apenas para as quest√Ķes t√©cnicas – a especifica√ß√£o do morango – podemos perder de vista aspectos culturais que influenciam na sua popularidade.

Um destes aspectos é o papel que a colonização tem no nosso gosto.

Pense na comida que você mais deseja numa sexta à noite: é um hamburguer, uma pizza, um sushi ou uma moqueca de peixe?

Comida √© um soft power: nossos h√°bitos e prefer√™ncias alimentares criam mercados, ditam tend√™ncias, constroem imp√©rios, Influenciar o gosto das pessoas em dire√ß√£o daquilo que √© nativo de um determinado pa√≠s tem sido um driver de constru√ß√£o de valor das pot√™ncias mundiais desde a √©poca das especiarias (ou at√© antes delas, se pensarmos no Imp√©rio Romano).  

Estamos no Brasil, o pa√≠s com a maior biodiversidade do mundo. O povo brasileiro reside sobre um solo que tem 6 biomas distintos: Amaz√īnia, Caatinga, Cerrado, Mata Atl√Ęntica, Pampa e Pantanal, com uma imensidade conhecida e desconhecida de frutas, flores, ervas e temperos nativos.

Por isso, eu me pergunto: por que tanto iogurte de morango no país da seriguela, uvaia, graviola, guabiroba, caju, butiá, goiaba, maracujá, jabuticaba, jambo e priprioca?

Por que tanta pimenta preta no país da aroeira, baunilha do cerrado, pacová, puxuri e pimenta de macaco?

A popula√ß√£o escolhe alimentos que refletem a sua submiss√£o a outras culturas alimentares: √© o que se pode chamar de coloniza√ß√£o do gosto.  

Aqui, contudo, falo com você, que é profissional da inovação de alimentos, e todos os dias faz escolhas que definem os rumos dos alimentos processados no Brasil.

Podemos seguir o modelo vigente, reproduzindo estes gostos colonizados, importando tendências e ficando à mercê do soft power de outras culturas.

Ou podemos parar e pensar. Olhar ao redor: o que é nosso e ninguém pode nos tirar?

Qual é o nosso gosto? Qual é o nosso soft power?

Olhem para o seu territ√≥rio. Olhem para o ch√£o em que pisam. As t√©cnicas culin√°rias que s√≥ existem por aqui (al√ī, querida farofa). As especiarias, frutas, flores e plantas que s√≥ o Brasil brasileiro pode trazer para o mundo.

Isso vale tanto de uma perspectiva nacional, em que nos vemos no mundo, quanto regional. Só uma empresa pernambucana criará algo com bolo de rolo. Só uma cearense se inspirará no feijão verde cremoso. Apenas uma paranaense olhará para o barreado.

Enquanto não olharmos para o nosso chão, seguiremos lançando cópias que não significam nada e fazendo muita fumaça.

A√≠ est√° uma das suas maiores possibilidades de criar um produto √ļnico, que respeite e contribua para a cultura alimentar local – e que possa se destacar no mundo.  Olhe para o seu territ√≥rio.

Lanço então aqui a minha campanha:

(Seriguela > Morango. Quem concorda, posta no Linkedin e sai correndoūüĒ•ūüé°)

Eu lhe convido a entrar neste movimento comigo e repensar as suas práticas de inovação.

A gente fez o Paul McCartney e o Bruno Mars “come to Brazil“.

Quem sabe onde poderemos chegar como na√ß√£o se nos juntarmos para “come do Brasil“?

ps.: quer ler mais a respeito da comida como um soft power? Deixo aqui algumas referências.

The soft power of food: A Diplomacy of Hamburgers and Sushi?

Japan’s gastrodiplomacy as soft power: global washoku and national food security

Soft power, gastronomia e Amaz√īnia

Este texto foi inicialmente enviado para os assinantes da newsletter da Sra Inovadeira Рum local de reflexão, debate e boas práticas de Inovação que você não pode perder.

Inscreva-se clicando no bot√£o abaixo:

Compartilhe esse artigo. Vamos revolucionar o mercado de alimentos!

Juntos podemos causar um grande impacto atrav√©s de pequenas a√ß√Ķes: compartilhe e espalhe a mensagem.

Receba a planilha exclusiva e gratuita para Gest√£o de Projetos de P&D!

E mais: participe da comunidade privada de +12000 vision√°rios de alimentos que recebe dicas e insights exclusivos.

Sem spam. Só inovação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba a planilha exclusiva e gratuita para Gest√£o de Projetos de P&D!