• Milhares de Projetos de P&D ao mesmo tempo?
    Receba a nossa ferramenta exclusiva e gratuita para Gestão de Múltiplos Projetos de P&D!

    E mais: participe da comunidade privada de +2000 visionários de alimentos que recebe dicas e insights exclusivos. Sem spam. Só inovação.

SRA INOVADEIRA RESPONDE: COMO SE PREPARAR PARA FAZER INOVAÇÃO ABERTA?

A pergunta de hoje chega de São Paulo, como resposta à pergunta que mandei aos assinantes: por que não temos redes colaborativas de P&D? O Marcelo me rebate perguntando: mas e como fazer essa inovação colaborativa?

(Você já assinou a nossa newsletter? NÃO? Então corre lá – os assinantes recebem notícias em primeira mão, além de material exclusivo sobre inovação em alimentos, no conforto da sua caixa de entrada).

A autodescrição do Marcelo é IMPAGÁVEL, então não irei estragar a surpresa do vídeo. Mas basicamente, ele quer saber:

Como se preparar para fazer open innovation (inovação aberta ou compartilhada)?

 

SRA INOVADEIRA RESPONDE

É, caro Marcelo, inovação aberta e colaborativa não é tema corriqueiro. Quando peço que as pessoas formem uma rede de colaboração, nem havia sido tão audaciosa a ponto de imaginar que isso seria possível de bate-pronto – mas você, visionário, já esticou o olhar ao longe.
Realmente, é um grande passo e que começa com a formação desta rede. Um dos estudos a respeito de Inovação Aberta cita inclusive que ELA EM SI é uma inovação, e deveria ser gerenciada dentro do portfólio de inovação da empresa. É algo novo – para todo mundo, mas principalmente para os segmentos mais conservadores da indústria.

(A indústria de alimentos. Mas não fui eu quem te contou).

Lá pelas tantas, na sua pergunta, você trata de um ponto que me parece crucial neste caso. EGOS. Ah, são tantos egos envolvidos, não é? Proporcional ao glamour que temos na área, é o tamanho dos egos que por P&D habitam.

Como, então, superar esta barreira?

Ah, e mais uma coisa: como fazer realmente inovação aberta com os nossos fornecedores de insumos e serviços, e não simplesmente usá-los para o nosso bel-prazer?

Estas e outras respostas e ideias, no vídeo.

Gostou do vídeo? Lembre-se de curtir e se inscrever no nosso canal no Youtube! Vem muito mais por aí!

Se você se interessa pelo assunto, tenho alguns materiais para ajudar na sua busca:

  1. Livro sobre Inovação Aberta na Indústria de alimentos e bebidas
  2. Pesquisa sobre o impacto da Inovação Aberta em empresas de alimentos e bebidas europeias.
  3. Guia do ABN Amro Bank para implementação de Inovação Aberta em indústrias de alimentos.
  4. Artigo sobre o impacto da Inovação Aberta sobre as indústrias de alimentos.
  5. 15 artigos sobre Inovação Aberta para você se aprofundar ainda mais!

 

Flyer_Cursos-01 - Copia (3)O curso Visionários Avante! ocorre este mês em Porto Alegre, e trará de bandeja um caso real de inovação aberta: Leonardo Fagherazzi nos contará a história por trás da bebida Mood, que hoje é o 2º energético mais vendido no Brasil (apesar de ser distribuído apenas nos postos AM/PM). Quer conhecer esta história de sucesso? As inscrições estão rolando aqui.

Sobre Cristina Leonhardt

Eu quero que você alcance todo o potencial de inovação que existe dentro da sua empresa de alimentos. Se conseguirmos criar um produto diferenciado, não teremos mais consumidores. Teremos uma legião de fãs. Quer me conhecer melhor - pode me adicionar no Linkedin: www.linkedin.com/in/cristina-leonhardt/
Adicionar a favoritos link permanente.

Um Comentário

  1. Pingback:Brasil e o índice global de inovação. O que melhorar? – Fispal Tecnologia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Milhares de Projetos de P&D ao mesmo tempo?
    Receba a nossa ferramenta exclusiva e gratuita para Gestão de Múltiplos Projetos de P&D!

    E mais: participe da comunidade privada de +2000 visionários de alimentos que recebe dicas e insights exclusivos. Sem spam. Só inovação.