• Milhares de Projetos de P&D ao mesmo tempo?
    Receba a nossa ferramenta exclusiva e gratuita para Gestão de Múltiplos Projetos de P&D!

    E mais: participe da comunidade privada de +2000 visionários de alimentos que recebe dicas e insights exclusivos. Sem spam. Só inovação.

INOVAÇÃO EM ALIMENTOS NA INDÚSTRIA GAÚCHA – ENTREVISTA COM CARIN GERHARDT

Você acredita que regionalismos afetem a característica inovadora de uma região? Será que a taxa de inovação em alimentos na indústria gaúcha é diferente da indústria de outros estados? Vamos falar com quem entende do assunto!

Hoje nós temos uma convidada especial: Carin Gerhardt trabalha na Gerência de Inovação e Tecnologia no Senai-RS, e também é “madrinha” do Instituto Tecnológico de Alimentos e Bebidas que está sendo implementado pela entidade. Por ela passam e são analisadas as propostas para o Editais de Inovação das empresas gaúchas todos os anos. Isso dá uma posição privilegiada para entender como está sendo feita a inovação na indústria gaúcha (de todos os segmentos).

E quer saber mais? A Carin é engenheira de alimentos, formada na UFRGS (a mesma linda faculdade onde essa que vos fala se formou)!

Com este olhar, ela nos concedeu uma entrevista sobre inovação em alimentos na indústria gaúcha – uma tentativa de entender que práticas, valores e características permeiam este estado.

Se você não é gaúcho e está pensando “ah, isso não me interessa, aqui é diferente”, eu lhe convido. No Brasil, temos muito mais em comum do que imaginamos à primeira vista.

 

1) Qual é a sua área de atuação hoje no Senai RS?

Trabalho na Gerência de Inovação e Tecnologia, responsável pelas ações do SENAI-RS em Inovação e Tecnologia e pelo apoio estratégico e operacional dos Institutos de Inovação e Tecnologia do SENAI-RS. Entre 2013 e 2015, realizei consultorias junto ao Núcleo de Inovação RS do IEL-RS em Gestão da Inovação em diversas indústrias do Estado, muitas da área de alimentos e bebidas.

inovação, tecnologia, inovação na indústria gaúcha, alimentos, P&D, sra inovadeira, carin gerhardt

Foto de Maiko de Andrade

Atualmente realizo a prospecção de editais de fomento para inovação, apoio na elaboração e revisão de projetos de inovação, faço a gestão de ideias provenientes do Edital SENAI SESI de Inovação e também apoio a implantação do Instituto SENAI de Tecnologia em Alimentos e Bebidas, situado em Porto Alegre-RS, entre outras atividades ligadas estrategicamente à implantação dos Institutos SENAI.

 

2) Como você enxerga a inovação sendo feita no estado? Qual é a principal característica da indústria gaúcha no quesito inovação?

A indústria gaúcha possui características particulares quando comparada com o resto do Brasil, decorrente da própria história do Estado e sua colonização, as características culturais, a posição geográfica, a gestão familiar e o tipo de produto produzido por aqui.

O gaúcho em si é bastante conservador: apesar de existirem diversas possibilidades de inovação – em produto, processo, marketing, vendas –, o maior foco da nossa indústria em geral é a redução de custos de produção. Percebi isso ao longo dos diagnósticos de gestão da inovação, bem como que o tema “inovação” era ainda muito novo para os empresários e, desta maneira, isso refletia no baixo desempenho neste quesito.

Para aqueles que entendiam e exploravam um pouco mais esse tema, existe uma cultura de que o risco da inovação deve ficar somente com o governo – FINEP, BNDES, etc. -, resultando em projetos com baixo comprometimento da empresa e, consequentemente, baixo índice de inserção no mercado.

Outra questão importante é que o próprio empreendedorismo é um tema muito novo, mesmo nas universidades. Precisa ser mais estimulado.

 

3) Como a indústria de alimentos se insere no contexto da inovação aqui no Estado?

A indústria de alimentos no RS é focada nos principais setores produtivos agrícolas, com grandes indústrias ligadas à produção de derivados de trigo, soja e cárneos. O projeto “Caminhos da Inovação na Indústria Gaúcha”, coordenado pelo prof. Paulo Zawislak, classifica indústria de alimentos e bebidas do RS como low tech, ou seja, tende a apresentar tecnologias maduras, estabilizada ou mesmo obsoletas, e de baixo nível tecnológico.

O baixo potencial de inovação pode ser observado na lista das 50 companhias mais inovadoras do Sul selecionadas pela Revista Amanhã, onde apenas uma empresa de alimentos e bebidas está presente, apesar de as indústrias de alimentos estarem entre as maiores em faturamento no RS e o Brasil estar sempre entre os maiores produtores de alimentos do mundo.

Pensando na inovação industrial em geral, a inovação na indústria de alimentos depende da capacidade inovadora da sua cadeia de suprimento, como a produção primária, indústria de ingredientes, de embalagens e a indústria de máquinas e equipamentos. Temos um ótimo parque produtivo de máquinas e equipamentos, porém vocacionado para produção de soja, arroz e trigo, sem vocação na industrialização de alimentos e bebidas com maior valor agregado.

Quanto a ingredientes, somos capazes de produzir diversos ingredientes a partir da soja, particularmente, com potencial de expansão de tecnologias para o arroz, por exemplo, considerando sua aplicação como substituto do trigo para produtos de panificação.

A produção primária também é altamente inovadora e, apesar de a tecnologia muitas vezes ser desenvolvida e patenteada por países estrangeiros, temos uma capacidade produtiva incrível.

Ou seja, há um potencial imenso pouco explorado na industrialização de alimentos no RS.

 

4) Temos expoentes de inovação no Estado – casos de sucesso a serem usados como exemplo?

salton-2

A Salton é um exemplo de empresa inovadora, familiar, que aposta em PD&I, com forte pesquisa e prospecção de novos locais para produção como a Campanha Gaúcha. Possui uma planta piloto para desenvolvimento de novos produtos e aplicação de novas tecnologias em Jarinu/SP – pertinho de Campinas, do ITAL e da Unicamp.

 

 

 

Foto_Aérea_fundopem_01_menorA Fruki também é uma empresa gaúcha, familiar, que está expandindo muito e com forte foco em inovação. Já possui 7 linhas de produção automatizadas com a capacidade de produção de 420 milhões de litros e estão implantando em Paverama-RS uma unidade de fabricação de bebidas energéticas, funcionais, sucos e chás até 2020.

 

 

 

5) Você acredita que o Brasil esteja explorando 100% o potencial de ser “o país que nutre o mundo”?

Estamos bastante longe disso, até porque um grande volume do que produzimos é soja para alimentação animal, não para alimentação humana.

 

6) Na sua experiência, quais são as características do empresário mais inovador?

São pessoas com coragem para arriscar, curiosas, empreendedoras, que sonham e veem o mundo com uma visão positiva, são ambiciosas e não se conformam com pouco. Enxergam as dificuldades como oportunidades, não como problemas, e têm a gana de irem atrás e aproveitarem para surfar no tsunami da crise, e não serem engolidas por ela.

São pessoas que essencialmente gostam e valorizam o “aprender”. Porque inovação é isso: é experimentar, errar bastante, errar pouco e acertar – e repetir isso muitas e muitas vezes!

 

7) Você avalia dezenas de projetos de inovação. Quais entraves são mais comuns entre as empresas que buscam inovar, porém não têm sucesso no processo?

Muitas empresas acham que sabem onde precisam inovar. Acho que aí é o maior problema, porque a empresa inicia investindo recursos e acaba abandonando o projeto ao longo do percurso ou até finaliza o produto e verifica que sua comercialização é muito difícil ou que não tem aceitabilidade no cliente.

Não adianta só desenvolver, muitas vezes precisam ser feitos muitos ajustes até colocar o produto no mercado e conseguir vender os diferenciais do produto na prateleira. Ou seja, é preciso estratégia, paciência e fôlego ao longo de toda a caminhada da inovação. A maioria não está preparada para isso.

 

8) Quais são as formas com que a FIERGS apoia a inovação no Estado?

A FIERGS apoia a inovação focada no setor industrial principalmente por meio do Conselho de Inovação e Tecnologia – CITEC, IEL-RS, SENAI-RS e SESI-RS.

inovação, tecnologia, inovação na indústria gaúcha, alimentos, P&D, sra inovadeira, carin gerhardt

O CITEC busca através da mobilização de diferentes frentes a promoção do desenvolvimento tecnológico da indústria do Rio Grande do Sul, com foco no aumento da competitividade de seus processos e no desenvolvimento de produtos de classe mundial.

O IEL-RS, com foco no Núcleo de Inovação RS, promove diversos eventos e capacitações empresariais voltadas para gestão da inovação e inovação como estratégia.

O SENAI-RS apoia tecnicamente a inovação através dos seus Institutos de Inovação e Institutos de Tecnologia. Eles oferecem às empresas serviços de desenvolvimento de projetos de PD&I, prototipagem, serviços de consultoria e serviços laboratoriais em diversas áreas, como alimentos, bebidas e fármacos, polímeros, metalmecânica, eletrônica, madeira e mobiliário, couro, calçados, meio ambiente, logística industrial, energia, entre outros.

O SESI-RS apoia a inovação através do Instituto SESI de Inovação em Gestão de Fatores Psicossociais, o qual desenvolve ferramentas, técnicas e metodologias para a melhoria das condições de saúde do trabalhador e o aumento da produtividade da indústria; através do Centro SESI de Referência em Segurança e Saúde do Trabalho (SST), que busca aproximar a indústria e a universidade por meio de pesquisa aplicada e disseminação de conhecimento em SST; e através da Escola SESI, a qual busca a formação de jovens com perfil inovador por meio de método único de ensino focado na resolução de problemas.

 

carin gerhardt, inovação, P&D, indústria, alimentos, SENAI, rio grande do sul, sra inovadeira, inovação na indústria gaúcha

 

Carin Gerhardt é “Defensora da Inovação” e analista técnica na Gerência de Inovação e Tecnologia do SENAI-RS, na FIERGS. Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos e Engenheira de Alimentos pela UFRGS. Atua na interlocução do Edital SENAI SESI de Inovação no RS e na implantação dos Institutos SENAI de Inovação e Institutos SENAI de Tecnologia, com ênfase no Instituto de Alimentos e Bebidas. Realizou diversas consultorias para gestão da inovação na indústria gaúcha ao longo de 2014 e 2015 junto ao Núcleo de Inovação RS. 

 

 

 

 

 

 

inovação, curso, treinamento, capacitação, P&D, alimento, visionário, porto alegre, cristina leonhardt, maria do carmo pontes, ricardo yudi, regina damin, leonardo fagherazzi, iel

Você sabe que o Rio Grande do Sul foi eleito para receber o curso Visionários Avante! Inovação de Alimentos justamente por este cenário? Temos um potencial incrível no Estado, com uma cultura rica, cheia de boa mesa, reconhecida pelo Brasil inteiro, porém estamos longe de o estar usando nas nossas indústrias. Podemos muito mais inovando, abrindo nossos horizontes e nossas perspectivas para um mundo novo que está ali ao lado: só basta se arriscar um pouco mais.

A FIERGS é nossa apoiadora no curso através do IEL/RS, e fará uma inserção provocativa sobre futurismo no primeiro dia. Mas é segredo (não posso contar).

Vamos lá. Eu sei que você pode revolucionar o mercado de alimentos!

 

As inscrições estão rolando aqui.

Sobre Cristina Leonhardt

Eu quero que você alcance todo o potencial de inovação que existe dentro da sua empresa de alimentos. Se conseguirmos criar um produto diferenciado, não teremos mais consumidores. Teremos uma legião de fãs. Quer me conhecer melhor - pode me adicionar no Linkedin: www.linkedin.com/in/cristina-leonhardt/
Adicionar a favoritos link permanente.

2 Comments

  1. Faltaram os créditos nas imagens.
    A foto da pergunta 1 foi tirada por Maiko Andrade.

    Favor retificar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Milhares de Projetos de P&D ao mesmo tempo?
    Receba a nossa ferramenta exclusiva e gratuita para Gestão de Múltiplos Projetos de P&D!

    E mais: participe da comunidade privada de +2000 visionários de alimentos que recebe dicas e insights exclusivos. Sem spam. Só inovação.