• Milhares de Projetos de P&D ao mesmo tempo?
    Receba a nossa ferramenta exclusiva e gratuita para Gestão de Múltiplos Projetos de P&D!

    E mais: participe da comunidade privada de +2000 visionários de alimentos que recebe dicas e insights exclusivos. Sem spam. Só inovação.

GOLDEN GATE – DISSECANDO OS “LEITES” E DERIVADOS VEGETAIS

golden gate, carin gerhardt, estados unidos, tendência, comida, tecnologia, P&D, alimentos, R&D, food, engenharia, ciência, pesquisa, desenvolvimento, oportunidade, sra inovadeira, inovaçãoEste é o terceiro post da nossa coluna mensal Golden Gate aqui no Sra Inovadeira. Convidamos a talentosa engenheira de alimentos Carin Gerhardt (que vocês já conheceram aqui) para nos mostrar um pouco do que está encontrando nos Estados Unidos. No final do ano passado, a Carin e seu marido imigraram para terras americanas a trabalho – e agora ela nos conta um pouco do que está vendo por lá em matéria de inovação de alimentos.

Nos post anteriores, ela analisou alimentos com apelo free e as kombuchas, que são febre nos EUA e já apontam no mercado brasileiro.

E agora, vamos às alternativas aos leites e derivados!

 

Este vídeo dedico a uma categoria muito especial: os chamados “leites” vegetais e derivados. Uma classe ainda desprezada por muitos, infelizmente, por ainda não ter chegado aos pés do maravilhoso leite de vaca.

Mil e um motivos para aprofundar nesse assunto:

  • Grande tendência de inovação para área de alimentos a substituição de leite e carne por alternativas mais sustentáveis, com várias startups e tecnologias surgindo aqui no Vale do Silício e nos EUA;
  • Alergia e intolerância alimentar ao leite bombando;
  • Preocupação com o bem-estar animal crescendo;
  • Dificuldades de processamento de “leites” vegetais utilizando as mesmas tecnologias usadas para o leite de vaca (pasteurização, homogeneização, fermentação, entre outros) e dificuldades na sua estabilidade e vida útil;
  • Grande especificidade das matérias primas, como amêndoas, castanhas, coco, soja, linhaça, etc. (composição, características tecnológicas)
  • Dificuldades na obtenção de produtos sensorialmente aceitos utilizando matérias primas vegetais;
  • Dificuldades na obtenção de produtos que possam substituir nutricionalmente o leite;
  • Por último… mil e um “leites” e derivados nas prateleiras de São Francisco!

Fui em dois mercados especializados em alimentos vegetarianos, veganos, naturais, orgânicos e cia, chamados Rainbow Grocery e Other Avenues.

Foi muito legal porque conheci a Shanta, que me atendeu no caixa e é uma das donas do Other Avenues – assim como todas as outras pessoas que estavam trabalhando lá. Ela me contou que é, também, escritora, e que escreveu um livro  chamado “Other Avenues Are Possible” sobre a história das cooperativas de alimentos em São Francisco: como surgiram na década de 70, como encolheram com a entrada das grandes redes de supermercados, e como sobrevivem ainda hoje, promovendo a distribuição de renda, a sustentabilidade ambiental e a alimentação saudável.

Eu já comprei o meu livro, e segue o link para quem tiver interesse.

A visita aos mercados foi realmente incrível e pude ver muitos alimentos diferentes. Mas eu tinha que escolher, então peguei de 3 categorias diferentes, incluindo os derivados, de ingredientes que nunca ia imaginar que poderiam ser alternativas ao leite: ervilha, linhaça e maconha (ou cânhamo). Segue a lista abaixo para conferir os produtos:

“Queijo” vegetal: marca Daiya, com uma linha incrível de queijos vegetais e produtos com queijo vegetal (que já apareceu no Sra Inovadeira no post sobre alergênicos)

Leite” de ervilhas amarelas: marca Ripple original

“Iogurtes” vegetais:

a) “Iogurte” de amêndoas sabor blueberry: marca “Kite Hill”

b) “Iogurte” de linhaça sem sabor: marca “Good Karma”

c) “Iogurte” de maconha (ou cânhamo): marca “Tempt hemp”

No meu vídeo, virei os produtos de cabeça para baixo, analisei embalagem, ingredientes, composição nutricional, comparei com outros similares, provei, cheirei, misturei… Não vou contar aqui, é surpresa! Mas confesso: tive experiências muito boas e experiências desastrosas!

Ou seja, para muitos “leites” vegetais e derivados ainda há uma boooa caminhada tecnológica. Mesmo aqui, no coração da tecnologia.

Dá uma conferida 😉

Ahhh! Para quem viu o último post da Kombucha, no final deste vídeo tem uma surpresinha 😊

Sobre Carin Gerhardt

Possui 4 anos de experiência em design e gestão de projetos de inovação tecnológica industrial, atuando na prospecção e submissão a órgãos de fomento, bem como no acompanhamento de projetos desenvolvidos por diferentes institutos de inovação e tecnologia do SENAI-RS, incluindo o Instituto SENAI de Tecnologia em Alimentos e Bebidas. Realizou mais de 700h de consultorias em gestão de inovação em diversas indústrias do Estado, elaborando diagnósticos e desenvolvendo planos de implantação/roadmaps com foco na gestão de PD&I. Possui mestrado em ciência e tecnologia de alimentos e graduação em engenharia de alimentos pela UFRGS, bem como licenciatura pela FEEVALE.
Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Milhares de Projetos de P&D ao mesmo tempo?
    Receba a nossa ferramenta exclusiva e gratuita para Gestão de Múltiplos Projetos de P&D!

    E mais: participe da comunidade privada de +2000 visionários de alimentos que recebe dicas e insights exclusivos. Sem spam. Só inovação.